Decreto nº 9.377, de 17 de maio de 2018, você está preparado?

Decreto nº 9.377, de 17 de maio de 2018, você está preparado? - Gryfus - Inteligência em Engenharia de Custos e Software - Volare Sisplo BIM - Sistema completo de Orçamento, Planejamento e Controle de Obras

Para um engenheiro civil, assim como em qualquer outra profissão, é necessário verificar, mesmo que seja periodicamente, as leis relacionadas a sua área de atuação. Quando estamos falando de inovação na área de engenharia e arquitetura, existem regras que acabam entrando na legislação brasileira com o objetivo de padronizar o mercado, priorizando a qualidade. É para isso que, em 17 de maio de 2018, criaram o decreto Nº9.377. Para saber mais, apenas acompanhe, pois certamente vai mudar o mercado nacional, e tem relação com o BIM.

O que é o BIM?

Refrescando a sua memória, o BIM é um tipo de programa que é essencial para o engenheiro civil. Com ele, é possível criar e acompanhar todas as etapas de um projeto de construção predial, desde a concepção, orçamento da obra, até a modelagem propriamente dita do projeto.

Etapas do projeto

Essa lei especificamente trata do uso do BIM nas obras públicas, que é um projeto dividido em 3 partes, até a implementação total.

• 2021

A exigência do uso do BIM se dará no que se refere a modelagem da estrutura, hidráulica, AVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado), parte elétrica com o objetivo de detectar interferências, além da extração de dados quantitativos e documentação.

• 2024

Haverá uma extensão nas etapas da obra, que envolvem planejamento, orçamento, e atualização de modelos.

• 2028

Nessa fase final, toda obra pública terá, em todo o ciclo de vida do projeto, o uso do BIM. Esse é o ponto que as obras novas, de média e grande relevância, usarão o sistema, incluindo o gerenciamento e manutenção da construção.

Expectativas para implementação do BIM

Junto ao decreto, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o chamado MDIC, publicou o documento Construção Inteligente. Nesse documento, são colocados os objetivos, ações, responsabilidades, bem como metas e compromissos para a disseminação dessa novidade do ramo da construção civil.

A meta do ministério é de que, até 2024, cerca de 50% de todo o PIB do mercado da construção civil esteja usando o sistema, o que equivale a 10 vezes mais do que é usado atualmente. Hoje em dia, de acordo com pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), apenas 9,2% das empresas do setor têm o BIM como o norte de seus projetos.

A tendência é que, em 10 anos, todas as obras públicas utilizem o BIM nos seus processos. Com isso, fomentará o uso do sistema nas obras privadas, incluindo o Volare Sisplo BIM, criado pela Gryfus que possui a vantagem de personalização nos custos do projeto.

Para saber mais, continue acompanhando a gente e, caso você precise de mais informações do Volare Sisplo BIM, bem como sistemas BIM no geral, entre em contato conosco.

Categorias: Legislação

Tags: sisplo, volare, volare sisplo, volare sisplo bim, terceira onda, BIM, Building Information Model, Modelo da Informação da Construção, grifus, orçamento obras, software orçamento obras, planejamento obras, gryfus, elaboração planejamento obras, elaboração orçamento obras, BIM na Engenharia de Custos, engenharia de custos, engenharia, sistema de orçamento de obras, autocad, Chuck Eastman, orçamentista, técnico em edificação, engenheiro civil, arquiteto, engenheiro, edificação, prédio, ministério da indústria comércio exterior e serviços, MDIC, documento construção inteligente, construção inteligente, Fundação Getúlio Vargas, FGV, 17 de maior de 2018, Decreto nº 9.377, decreto